Blog do EliseuBlog do Eliseu

Carta para os cotistas de nossos clubes de investimentos

24 de março de 2020 às 16:27 Por Postado em Blog do Eliseu

Sabemos que o momento é provavelmente único na história mundial, trazendo incertezas e isso influencia nos investimentos. Nos últimos anos criamos alguma gordura, principalmente nos últimos três anos. No ano passado nossos dois Clubes subiram 68% e 70% respectivamente contra 31% do Ibovespa. Precisamos um percentual menor que o atingido ano passado e em outros 2 anos anteriores para voltar ao patamar mais alto que atingimos. Muitos cotistas aportaram quando o mercado subia e comentamos sempre que o melhor momento para aportar é quando der uma “dor de barriga grande”, pois esse é a melhor indicação de quão barato começa a estar um investimento.

Em momentos como o atual muitos agentes atuam de modo emocional, não importando momentaneamente quanto vale um negócio, o patrimônio que ele tem, a marca, a credibilidade, a qualidade do produto. Investir em ações é assim, é ter uma parcela de uma ação, de uma participação de uma empresa e a maneira mais correta é investir em empresas que tenham histórico de lucros constantes e recorrentes. Já passamos por outras crises, eu passei por 2008 e outras e o mundo não acabou. Foram necessários ajustes, o que é normal em momentos como esses.

Existe uma parábola do senhor mercado (você pode ver aqui: http://barganhasdabolsa.blogspot.com/2015/03/a-parabola-do-sr-mercado-e-como-tirar.html) que trata o mercado financeiro como alguém bipolar, que oscila do otimismo extremo para o pessimismo extremo. Todo dia o Sr. Mercado vem com uma oferta para as suas participações nas empresas que tens  (ações compradas no mercado via Clubes ou fundos também) e aí ele por ser bipolar, as vezes oferece um preço pela sua participação mais alta, achando que as empresas vão vender muito (tivemos isso no início dos anos 2000) ou muito baixo (tivemos isso em 2008 e agora novamente, momento similar) e cabe ao investidor decidir o que fazer. Isso acontece no mercado acionário, no mercado de imóveis também. Sim, isso ocorre no mercado imóveis, mas não de maneira diária. O que você faz quando um imóvel avaliado em R$ 1 milhão, alguém diz que quer pagar R$ 700 mil ? Você simplesmente espera melhor condição para vender e não fica todo dia conferindo o preço do imóvel. Com ações deve ser assim também. Muitas vezes vender em uma baixa, pode parecer mais confortável psicologicamente, mas não é o correto. Em um momento de queda, você quer vender, quando o ideal seria comprar (sempre de acordo com seu perfil). A queda atual já aconteceu, foi muito rápida, como você vai ver posteriormente no texto e muita coisa já está nos preços das ações (acredito que 70-80% do que pode acontecer já estão incluídos nos preços atuais) e podemos ter uma alta probabilidade de subir, bem menor que a de queda, porque grande parte já ocorreu.

Empresas que estamos investindo

Procuramos investir em ações que tenham lucros crescentes e recorrentes. Vemos atualmente os bancos como muito baratos. As maiores posições que temos são Banco do Brasil, Vale, Banrisul, Copel, Sanepar, Tenda, Enauta, que representam a maior parte das ações que temos.

Banco do Brasil: hoje é negociada a 3,8x lucros aproximadamente, contra uma média de 7,5x lucros anuais. Quem está comprando a ação hoje tem cerca de 10% de dividendos. O Banco tem lucro e está negociado a 70% do valor que tem de patrimônio líquido. Isso é como comprar algo com R$ 0,70 e levar R$ 1,00.

Vale: Empresa gerando aproximadamente 13% de dividendos anuais e gerando um fluxo de caixa livre de 21%. O preço do minério de ferro continua aquecido e a China já está voltando com atividades normalizadas.

Banrisul: o Banco está sendo negociado a 3,5x lucros anuais contra uma média de 7x lucros. Quanto ao patrimônio líquido está negociado a 63% de 100% que tem de patrimônio líquido. Pagando dividendos de cercade 10%, onde o Governo do Estado é o maior beneficiário e vai precisar desses dividendos.

Enauta: Empresa da área de petróleo que tem 75% do valor de mercado em caixa e negociada a 72% do patrimônio líquido (de 100%). Tem caixa para esperar a melhora do petróleo.

Tenda: empresa tem 20% do valor de mercado em caixa e o lucro aumentou 35% no último trimestre. Negociada a 6x lucros anuais.

Copel: Empresa de Energia do Paraná. Negocia abaixo do patrimônio líquido, 72% de 100% que tem em patrimônio. Pagará cerca de 7% em dividendos e planeja a venda de ativos não-estratégicos que pode destravar valor futuro.

Abaixo gráfico de dois bancos, entre eles o Banco do Brasil, mostrando que ele negocia a 3,8x lucros anuais, o que é extremamente baixo. No ápice chegou a negociar a 12x lucros anuais o que é 215% mais do que está sendo negociado hoje.

O que ocorreu em crises anteriores

Crise Subprime 2008 – queda de -45,12% – recuperação de 76% em 150 dias. Saldo final: – 3,4%

Greve dos caminhoneiros – maio-2018 – queda de -20,24% em 25 dias.  165 dias depois a bolsa já tinha subido 40%! Saldo final: +11.7%

Joesley Day – maio de 2017 – queda de -12,17%. 86 dias depois 26% de recuperação. Saldo final: +11,6%

Mercado é cíclico e tende a voltar, caso o investimento seja em boas empresas. Como sempre falo, o melhor momento de investir é quando dá “uma dor de barriga na gente”. Investir em períodos de alta pode ser mais confortável, mas não é o que dá grana.

Grandes investidores começam a movimentar-se 

Todos sabemos que o momento atual é um momento único na história da humanidade tanto pela questão social quanto na parte de investimentos. Nunca passamos por algo parecido e certamente o momento atual irá nos marcar profundamente, gerando mudanças na forma de pensarmos e investirmos.

O objetivo aqui é mostrar os desdobramentos da crise e quão marcante ela está sendo na história da humanidade. Começo mencionando sobre o momento que passa o S&P500 (Ìndice de ações dos EUA) e o gráfico abaixo que mostra a velocidade de queda dessa Crise Corona, mostrando que a queda de 20% desde o pico atingido foi mais rápida do que as crises de 1929 e 2008, como pode ser visto abaixo:

Já na Bolsa Brasileira, tivemos o oitavo circuit breaker de um total de 24 desde que nosso Ìndice de ações, o Ibovespa foi criado em 1967 (dia 19 de março também tivemos um e que não está no gráfico, por ser muito recente). Ou seja, em apenas 30 dias, tivemos um terço das maiores quedas de 53 anos!!! :O

Dada a velocidade da queda e da intensidade, o que estão fazendo os grandes investidores

Luiz Barsi, conhecido como o velhinho bilionário da bolsa, que tinha quae R$ 1 bilhão de dólares está comprando. Um dos maiores Fundos do Brasil, o Verde e o genial Luis Stuhlberger, está comprando e tem a maior posição em bolsa de valores no seu fundo multimercado desde 2010.

Grandes fundos como o Dynamo, estão reabrindo para captação e o mesmo em apenas um dia captou R$ 300 milhões.

Outro grande nome brasileiro, Florian Bartunek que administra R$12 bilhões, fala que essa crise tem início, meio e fim! (link para matéria completa)

Bill Miller, o legendário ‘value investor’ que fez carreira na Legg Mason, diz que o momento atual é uma das “maiores oportunidades de compra da vida! E olha que ele tem 70 anos de idade! (link para matéria completa).

Não somente eles mas as empresas vêm recomprando as próprias ações, mostrando que as ações começam a estar em um ponto interessante de compra. Essas recompras intensificam-se em momentos como o atual.

A tendência é que mais empresas abram o período de recompras, dada a atratividade atual.

O que esses investidores podem estar vendo

Acredito que é interessante pensar o que podem estar vendo o que os grandes investidores estão fazendo. Para tomarmos uma decisão da melhor maneira possível é preciso reunir informações que facilitem essa tomada.

1) Gráfico Preço-Lucro: hoje negociamos a 9,76x lucros anuais, patamar parecido com a recessão do Período Dilma, que o PIB caiu 10% aproximadamente, ou seja, como sempre falo a bolsa e seus agentes tentam antecipar movimentos, acredito que de 6-8 meses à frente. Ainda estamos um pouco acima da crise de 2008, como pode ser visto abaixo:

Ressalto que em 2002 o Preço-Lucro estava mais baixo, porém a renda fixa estava em 40% ao ano. Sendo assim, a renda fixa com garantia, tinha Preço-Lucro de 2,5 (100% do capital dividido por 40% de retorno anual), possuindo um risco muito maior do que o momento atual de investir-se em renda variável. No momento, a renda fixa tem retorno de 3,75% ao ano, o que torna mais fácil um investimento em ações obter um retorno acima, no longo prazo.

Um fato cabe ser ressaltado aqui, que é a relação entre os juros e o retorno de investimentos em ações. Podemos fazer um exercício similar com o preço-lucro da bolsa de valores, invertendo o percentual de renda fixa e dividindo por 100, transformando em Preço-lucro, que pode nos dar uma estimativa, caso os dados mantenham-se constantes do retorno. Hoje a Selic é de 3,75% o que nos dá um Preço-Lucro = 100 dividido por 3,75 = 26,66x. Sendo assim enquanto na renda fixa demoraria 26,66 anos para dobrar o capital, na bolsa demoraria 9,76 anos. Claro, tudo deve manter-se constante, como o lucro das empresas. Caso o preço caia (como é o momento atual) e os lucros subam (como pode acontecer pós crise, daqui 1-2 anos) esse indicador tende a diminuir.

Benjamin Graham já dizia que o mercado de ações é maníaco depressivo, as vezes ele pode exagerar nas quedas, assim como nas altas, balançando para esses dois lados, cabendo ao investidor ser racional e aproveitar-se desses momentos que podem ser únicos na vida.

Fonte: https://comoinvestir.thecap.com.br/

Já a S&P500 ainda não chegou a níveis de 2008, porém cabe salientar que os juros chegaram a 0-0,25% ao ano, algo inimaginável até pouco tempo atrás. Um amigo que trabalha no Santander New York, me disse que antes era necessário ter no mínimo 10% do valor que alguém quer emprestado e que hoje isso já não é mais necessário, mostrando que bancos querem emprestar dinheiro e que os juros estão baixíssimos.

2) Delta entre NTN-B e Ibovespa: outro indicador interessante que eu acho é o delta, que podemos medir a diferença entre o retorno do Ibovespa e o que estão pagando as NTN-Bs (renda fixa, sem risco e com garantia do Governo). Mesmo com o maior retorno recente das NTNB-s dado o crescente nível de risco, é a maior diferença desde março de 2005. Isso quer dizer na prática que o risco para investir em ações vem dando um prêmio maior para quem o fizer.

3) Sempre esteja no mercado financeiro com maior ou menor percentual: como consultor financeiro, sempre digo para o pessoal que trabalho que o melhor momento para compras no mercado de ações é quando você estiver sentindo aquela “dor de barriga” com as ações, um sentimento emocional forte de perda momentânea e quando quase estiver decidido a vender suas ações. Investir é algo racional e de pensamento e atitudes contrárias da maioria, como podemos ver acima, onde muitos gestores e investidores profissionais estão comprando ações nesse momento em que maioria vende ou quer vender. Um dado interessante é o  que mostra que se perdermos apenas 2 dos melhores anos, o retorno cai pela metade, no estudo realizado em 23 anos de Ibovespa.

Nos investimentos, o advento de uma vacina tende a dar porrada para cima nos retornos.

4) Empresas abaixo do valor patrimonial: já começam a pipocar empresas que estão sendo negociadas abaixo do valor patrimonial. Importante verificar aquelas que não tenham dívida ou dívida baixa. Certamente algumas dessas empresas estão chamando atenção de grandes investidores.

Positividade: 

Quero encerrar esse texto com algo positivo. Certamente essa crise do Corona Vírus trará mudanças profundas em nossa maneira de pensar e investir. Provavelmente contaremos esse momento para nossos netos e bisnetos. Acredito que de tudo menos positivo, temos que tirar algo positivo e esse é o momento.

Nos investimentos, como mencionou André Jakurski, um dos maiores gestores do Brasil, essa é uma crise com início, meio e fim, ao contrário de 2008, por exemplo, que bancos estavam muito mais alavancados. Cabe a nós termos paciência e estudar bons ativos, plantando sementes para colhermos os frutos em um futuro e momentos assim facilitam isso, a compra de bons ativos com margem de segurança maior.

O gráfico que quero mostrar aqui é a do tratamento do Corona. Estamos avançando no tratamento segundo pesquisas, o que nos dá uma luz e esperança para o término mais rápido e mais benéfico para todos.

Resumo

  • momento é único e marcará gerações, tanto a parte social quanto nos investimentos;
  • temos a maior queda em termos de velocidade comparando-a com outras crises;
  • tivemos 8 circuit breakers de 24 que já existiram, o que mostra quão raro e marcante é o momento;
  • dada a queda, grandes investidores e empresas começam a recomprar ações de própria emissão;
  • taxa Selic nas mínimas, assim como Juros Americanos em 0-0,25% ao ano;
  • prêmio para investir em ações está o mais alto desde 2005, não quer dizer que não possa ficar maior;
  • se você tem caixa, vá comprando aos poucos e dividindo as compras a cada quedas. Só invista se tem perfil para isso e para longo prazo. Lembre: é nas quedas que se compra, que se aumenta posição, mesmo que isso psicologicamente não seja algo fácil;
  • sairemos dessa, mais fortes e unidos como humanidade e na parte dos investimentos, alguns que manterem a racionalidade, plantando sementes agora e esperando o tempo passar, irão colher ótimos frutos!

 

Desejo coisas boas, para você que está lendo esse artigo e para sua família. Cuidem-se e contem conosco!

Era isso!!
Um grande abraço,
Eliseu Manica Júnior

Facebook: Eliseu Mânica Júnior
Instagram: @eliseumanicajr
Twitter: eliseumanicaj

Grandes Investidores: Luiz Barsi Filho, um dos maiores investidores pessoa física do Brasil

21 de dezembro de 2019 às 17:09 Por Postado em Blog do Eliseu

Aqui quem vos escreve aqui é o Eliseu. Desde o início da minha jornada no mundo de investimentos procurei ler, estudar e buscar mais e mais conhecimento. Hoje, passados 15 anos, sigo aprendendo, mas posso garantir para vocês que o que mais me ajudou nessa caminhada, foi estudar o que os grandes mestres, os grandes nomes, grandes gestores de mercado fizeram e ensinaram. Por isso resolvi compartilhar com vocês aqui no Bugg, o que aprendi, através dessa série “Grandes Investidores”. Espero que os ajude, assim como esses ensinamentos têm me ajudado a ser um investidor melhor.

Luiz Barsi Filho – Biografia e vida pessoal

Luiz Barsi Filho é um dos investidores mais antigos da bolsa brasileiro que tornou-se mais conhecido nos últimos anos. Nasceu em 10 de março de 1939, em São Paulo. Há mais de 66 anos ele é investidor e merece ter sua história contada aqui. Filho de imigrantes que vieram da Espanha, morou no Brás em uma casa pequena. Seu pai faleceu quando ele tinha apenas um ano de idade e aos noves anos ele começou a trabalhar como engraxate. Já aos 14 anos ele começou a trabalhar em uma corretora, começando a comprar ações. Fez Faculdade de Direito e Economia, Escreveu sobre investimentos no Diário Popular, por 18 anos.

É conhecido como Warren Buffett Brasileiro, pois tem mais de R$ 2 bilhões em investimentos.

Modus operandi 

Não é segredo e fica evidente que a maioria de quem realmente ganha dinheiro com investimentos na bolsa de valores é investindo, é pensando no longo prazo e é estudando empresas boas, que geram lucro, têm um bom fluxo de caixa e não é diferente com Luiz Barsi Filho. Ele é seguidor da filosofia de value investing, e é o maior investidor pessoa física de nossa Bolsa.

Por eu trabalhar há mais de 15 anos no mercado financeiro, a gente conversa muito com investidores e pessoas que trabalham no mercado de investimentos e uma das coisas que poucos sabem e que comento em primeira mão, já que não vi nada a respeito na internet e em artigos que li, é que Luiz Barsi Filho por várias vezes comprava ações no mercado fracionário, e aí unia as ações tornando-as um lote e vendia os lotes cheios, comprando novamente no fracionário e repetindo isso o máximo que pudesse, realizando uma arbitragem, sem qualquer risco ao realizar esse procedimento. Conta-se que na época os preços do mercado fracionário eram menores e com isso, as ações poderiam ser unidas em lotes e vendidas por um valor acima do que foram compradas proporcionalmente. Não sei se isso é realmente verdade, mas trata-se de aproveitar uma grande oportunidade e mostra a inteligência de Luiz Barsi, aproveitando condições do mercado para fazer mais dinheiro. “Dinheiro, serve para fazer dinheiro”, é uma das frases que ele mais usa e que encaixa perfeitamente nesse caso.

Investindo em empresas com tradição

A carteira de Barsi possui 15 empresas, sendo o Banco do Brasil a Empresa que ele tem há mais de 32 anos. Ele defende que investir em empresas que estão há um bom tempo no mercado, aumenta a probabilidade de acertos. Banco do Brasil tem 200 anos. Klabin que é outra investida por ele tem 120 anos.

Fazem parte da carteira de Luiz Barsi: Vale, Banco do Brasil, AES Tiete, Cemig, Eletrobrás, Eletropaulo, Eternit, Klabin, Santander, Suzano, Taesa e Unipar.

Um dos erros de quem está começando é tentar copiar a carteira de grandes investidores. Em época de twitter e redes sociais, fica mais fácil encontrar a carteira desses investidores, porém isso não é correto, o mais apropriado é entender o motivo da escolha de determinadas ações e assim ir evoluindo, criando um próprio sendo crítico com o tempo e montando a sua própria carteira. Seguir os outros e seus investimentos, pode nos deixar cegos e a pessoa que seguimos pode estar caminhando para o precipício e você estar indo sem perceber, pois está apenas seguindo outra pessoa.

Estratégia resumida de investimentos 

  • Procurar ajuda de um especialista no início;
  • Estabelecer metas alcançáveis;
  • Traçar um objetivo de longo prazo;
  • Ter disciplina;
  • Ser consistente nos resultados, nos aportes, ter paciência e esperar;
  • Não postergar o começo do investimento, não “deixar para segunda-feira”;
  • Focar em dividendos e em empresas sólidas, lucrativas e com alto percentual de distribuição de lucros;
  • Reinvestir os ganhos, acelerando o poder dos juros compostos;
  • Comprar barato, diferenciando preço e valor;
  • Observar o mercado e ser paciente, pensando no longo prazo, SEMPRE!

 

Um grande abraço,
Eliseu

FONTE: https://bugg.com.br/2019/12/21/luiz-barsi-filho-o-warren-buffett-brasileiro/

Grandes Investidores: Lírio Parisotto, empreendedor e um dos maiores investidores do Brasil

14 de dezembro de 2019 às 16:59 Por Postado em Blog do Eliseu

Aqui quem vos escreve aqui é o Eliseu. Desde o início da minha jornada no mundo de investimentos procurei ler, estudar e buscar mais e mais conhecimento. Hoje, passados 15 anos, sigo aprendendo, mas posso garantir para vocês que o que mais me ajudou nessa caminhada, foi estudar o que os grandes mestres, os grandes nomes, grandes gestores de mercado fizeram e ensinaram. Por isso resolvi compartilhar com vocês aqui, o que aprendi, através dessa série “Grandes Investidores”. Espero que os ajude, assim como esses ensinamentos têm me ajudado a ser um investidor melhor.

Lírio Parisotto – Biografia

O investidor do presente texto um dos maiores do Brasil. Sim, depois de escrever mais de 20 textos sobre os maiores investidores do mundo, onde eles residem em sua maioria nos Estados Unidos, começo a escrever sobre os maiores do Brasil, começando pelo conterrâneo gaúcho, Lírio Parisotto, de quem tive o prazer de assistir uma palestra em 2011 e que lembro de trechos até hoje. “Não compro coisas que voam!”, “Não gosto de empresas varejistas, você já viu uma varejista não quebrar no Brasil?” (isso bem antes do estrondoso case da Magazine Luiza rs).

Lírio Albino Parisotto é um investidor que nasceu no Rio Grande do Sul, em Nova Bassano, próximo a Caxias do Sul, na data de 18 de dezembro de 1953. Filho de pais agricultores, formou-se em medicina e é um grande investidor.

Vida Pessoal

Vindo de uma família de agricultores no interior gaúcho, aos 13 anos, Lírio Parisotto saiu de casa para estudar e inclusive chegou a ser seminarista, estudando para ser padre, sendo posteriormente expulso por mau comportamento, chegou a morar em Brasília por 5 anos. Prestou concurso para o Banco do Brasil, trabalhando cerca de 150 kms da sua cidade, Nova Bassano. Conta que queria uma transferência para uma Agência mais perto da sua casa, porém vendo que havia uma lista imensa de espera, acabou pedindo para sair do emprego em apenas 7 dias.

Posteriormente, voltou para sua cidade natal, onde trabalhou em um frigorífico da cidade e acabou tornando-se gerente. Com o primeiro salário comprou uma kombi, na qual usou como um ativo para levar pessoas. Era um leitor assíduo, começando a estudar sobre o mercado de ações. Ingressou na Faculdade de Medicina de Caxias do Sul em 1976. Acabou sendo demitido do Frigorífico por estar “descansando”, de tanto trabalhar. Trabalhou trazendo mercadorias de São Paulo principalmente videocassetes. Certo momento com dívidas a receber de clientes, um desses devia-lhe tanto que resolveu oferecer a loja para Lírio, como forma de pagamento. O nome dessa loja era a Videolar.

Com o tempo a Loja começou a fluir, faturando de US$ 500 a US$ 600 mil anuais, possibilitando-o investir no mercado de ações e viajar para os EUA, onde conheceu os gravadores de VHS, desconhecidos de muitos atualmente. Com essa experiência criou o primeiro videoclube da cidade de Caxias de Sul. Lá clientes poderiam assistir filmes de videocassetes, com poltronas, sofás, assim como fitas virgens como cópias das originais. A Loja era tocada pelo sócio, permitindo Lírio finalizar seu estudo na faculdade de medicina. Posteriormente, voltou a focar na sua Loja Videolar, sendo a que mais vendia tvs na Cidade de Caxias do Sul. Acabou por agregar valor na assistência técnica, aceitando produtos eletrônicos usados, gerando diferenciação. Depois de tanto sucesso, foi convidado pela Sony, por ser um dos que mais vendiam no Brasil fitas VHS Beta Max. Visitando a Sony em Tóquio, enquanto os outros faziam turismo, Lírio resolveu saber mais sobre a fabricação de fitas VHS.

Voltando ao Brasil, a Loja original passou a sofrer grande concorrência, decidindo mudar de ramo. Em 1986, ele já tinha cerca de US$ 500 mil na bolsa de valores e estava sofrendo uma queda de 40% naquele ano. Dois anos depois, acabou criando uma empresa própria de VHS e investiu US$ 4 milhões em uma fábrica de produção própria de fitas VHS.

Acabou crescendo rapidamente com a empresa gerando caixa e com isso investindo concomitantemente no mercado de ações, sendo influenciado no início da década de 90 no Livro Faça Fortuna com Ações, de Décio Bazin. Com a queda do mercado de ações, acabou investindo US$ 2 milhões.

Acabou abrindo uma fábrica na Zona Franca de Manaus, onde recebeu incentivos para produzir e passou a produzir até DVDs, possibilitando-o investir US$ 6 milhões no mercado de ações em 1998, na carteira que mantem até hoje, com cerca de 12-14 empresas. Em 2008 deixou o dia-a-dia da Empresa Videolar, passando para o conselho de administração da empresa. Passou a investir em Private Equity, comprando a RBS TV de Santa Catarina, vendendo-a algum tempo depois.

Estilo de investimentos

Foca em empresas pagadoras de dividendos focando no longo prazo. Em 2008, chegou a ter R$ 1,6 bilhões, porém sofreu uma queda de R$ 1 bilhão, recuperando tudo depois. Estima-se que tem uma carteira hoje próxima a R$ 5,2 bilhões, o que o coloca entre os mais ricos do Brasil.

O seu Fundo L. Par. teve o seguinte retorno nos últimos anos:

Em sua carteira gosta de investimentos em siderurgia, mineração, energia elétrica e bancos. Fazem parte da sua carteira de investimentos: Celesc, Banco do Brasil, Eletrobrás, CSN, Usiminas, Braskem, Vale, Light, Cielo, Eternit. Ele faz muito lançamento coberto de opções, procurando ganhar o prêmio e remunerar a sua carteira de investimentos. Por lançamento coberto, entende-se possuir ações de uma empresa e vender opções.

Entre seus principais pensamentos estão:

  • Não compre empresas que dão prejuízos
  • Importante prestar atenção na saída do investimento, liquidez é fundamental
  • Não compre nada que voa
  • Reinvista sempre seus dividendos e compre empresas que paguem altos dividendos
  • Não compre varejistas
  • Não entre em IPOs
  • Diversificação é interessante, porém não muito. Ele tem como regra, ter no máximo 14 empresas no Fundo.
  • Tenha senso crítico e não vá apenas pelo analistas e pelo preço-alvo

 

Um grande abraço,
Eliseu

FONTE: https://bugg.com.br/2019/12/14/lirio-parisotto-empreendedor-e-um-dos-maiores-investidores-nacionais/

Grandes Investidores: Jim Simons, retornos maiores que lendas como Buffett, Soros, Munger

30 de novembro de 2019 às 16:40 Por Postado em Blog do Eliseu

Aqui quem vos escreve aqui é o Eliseu. Desde o início da minha jornada no mundo de investimentos procurei ler, estudar e buscar mais e mais conhecimento. Hoje, passados 15 anos, sigo aprendendo, mas posso garantir para vocês que o que mais me ajudou nessa caminhada, foi estudar o que os grandes mestres, os grandes nomes, grandes gestores de mercado fizeram e ensinaram. Por isso resolvi compartilhar com vocês aqui no Bugg, o que aprendi, através dessa série “Grandes Investidores”. Espero que os ajude, assim como esses ensinamentos têm me ajudado a ser um investidor melhor.

Jim Simons – Biografia

O texto a seguir, tratará o maior gestor de fundos do mundo em termos de retornos e que teve um grande destaque recentemente com seu livro “The Man who Solved the Market”, escrito por Gregory Zuckerman. Comecei a ler recentemente. Esse investidor é o gestor de fundo quant (quantitativo) Medallion, da Renaissance Technologies, James “Jim” Simons.

James Harris Simons, nasceu em 25 de abril de 1938 em Massachusetts, é um matemático americano e acabou tornando-se bilionário após a fundação de seu fundo. Ele também se dedica a filantropia. Conseguiu um PhD em Berkeley, em 1962. Em 1964 trabalhou para o Governo Americano, com decodificação, ou seja, tentando quebrar códigos, usando criptografia e outros padrões.

Ele é conhecido por ser um investidor quantitativo e fundou em 1982 o Renaissance e o Medallion, um Fundo baseado em New York que teve um retorno de 66% antes de taxas e 39,9% após taxas, o que é o retorno mais alto historicamente, se comparado com outros gestores de hedge. Simons obteve esse retorno de 39,9% para os seus cotistas, mesmo cobrando uma taxa de administração de 5% e taxa de performance média de 44% ao ano, ao contrário da praxe, que é de 2% de taxa de administração e 20% de taxa de performance.

Ele é considerado como o maior investidor de Wall Street, devido aos seus altos retornos. Sua riqueza atual é de US$ 21,6 bilhões, o que coloca-o também, não apenas como um grande gestor em termos de performance, mas uma das pessoas mais ricas do mundo, sendo o vigésimo primeiro mais rico do mundo. O Fundo dele criou mais riqueza que a fortuna pessoal de Warren Buffett ou Bill Gates, de maneira individual. Chama atenção mesmo que possuindo o melhor retorno histórico entre os gestores, Jim Simons nunca teve aulas de finanças, não tinha interesse nos negócios (ele trabalhava para quebrar códigos criptografados na Guerra Fria) e contratou pessoas fora do meio de Wall Street para trabalhar no Fundo.

Gestora Renaissance e Fundo Medallion

Fundada em 1982, a Gestora Renaissance começou utilizando matemática pura para realizar trades, muitos deles automatizados através do uso de correlações, sem intervenção humana, usando modelos computacionais para antever mudanças de preços através da análise de dados. Uma dos fatos que me chamou a atenção, foi que a maioria de quem trabalha no Renaissance não é do mercado financeiro e sim matemáticos, físicos, astrônomos e estatísticos. Um terço de quem trabalha lá tem PhD, ou seja, são inteligentíssimos!

Simons por ser o gestor da Gestora, é um dos gestores que mais ganhou nos últimos anos… por exemplo, ano passado ele ganhou US$ 1,3 bilhão. Em anos anteriores como 2007, foram US$ 2,8 bilhões, US$ 1,7 bilhão em 2006, US$ 1,5 bilhão em 2005 (o maior ganho de gestores naquele ano) e US$ 670 milhões em 2004. Tudo isso como um prêmio de taxa de performance, por obter retorno acima da média.

Desde 1988, o principal Fundo da Renaissance,  o Medallion, teve retorno uma média de +71,8% ao ano e fez acima de US$ 150 bilhões de lucros nos mercados financeiros, sendo que nenhum gestor teve um retorno maior que ele nos mercados nesses 30 anos. Lembro que a taxa de administração do Fundo Medallion é de 5% e a taxa de performance é de 44% e como efeito de comparação, no Brasil e nos EUA, a taxa média de performance é de 20% e de administração 2%, o chamado 20-2.

Retornos anuais do Fundo Medallion até a crise, ano que ganhou 80%

A Black Box: como a Gestora opera o Fundo

Muitos perguntam-se como opera a Renaissance e até hoje não há uma certeza, apenas pistas que são retiradas de formulários enviados trimestralmente com as posições dos fundos. De modo geral, o Renaissance opera através de modelos quantitativos derivados de matemática e da estatística. O principal Fundo, o Medallion, foi criado em 1988 e usou modelos matemáticos de Leonard Baum que foram melhorados posteriormente pelo uso das álgebras de James Ax. O Fundo explora correlações entre vários ativos e teve esse nome pelos prêmios que ambos ganharam.

Jim Simons aposentou-se das atividades principais em 2009 e foi substituído por Peter Brown, um cientista computacional especializado em linguística que foi contratado em 1993 enquanto trabalhava na IBM.

Outro fato que chama atenção é que o Renaissance tem mais de US$ 110 bilhões sob administração, o que faz um dos maiores fundos do mundo e tem mais de 300 funcionários. Há mais de 3400 ativos diferentes na composição dos fundos.

Quase US$ 120bilhões em Assets Under Management

 

Fundos Quants

Hoje temos cerca de 17 fundos quantitativos no Brasil. Vários desses fundos utilizam-se de algoritmos e uma rapidez de milissegundos na emissão de ordens. No Brasil ainda não é permitido vender ordens de clientes, mas saiba que nos EUA isso já é feito. Corretoras com corretagens gratuitas ou abaixo da média do mercado vendem essas ordens de clientes para fundos e outros investidores institucionais, dando-lhes uma vantagem para operar pequenos spreads, sendo chamados de scalpers. Sendo assim, saiba que não há almoço grátis no caso de corretagens gratuitas ou abaixo da média, você está pagando de uma forma ou de outra. Ressalto que essas operações de corretoras e venda de ordens acontece nos EUA e no Brasil não tenho ciência desse fato, apenas sei que não é permitido por lei e como nossa regulamentação financeira é muito eficiente, sendo modelo para os EUA inclusive, acredito que isso não ocorra.

Fundos Quant além de ordens instantâneas, procuram abordar correlações e antever movimentos, “linkando” com volumes de negociações e padrões que ocorreram no passado procurando repetir-se no futuro.

Do ponto de vista negativo já que comentei sobre o Fundo Renaissance, ocorreu em 2008-2009 a quebra do Long Term Capital (também um Fundo Quant), que também usava alavancagem, tinha 4 Prêmios Nobel como principais sócios e teve que ser salvo para não gerar um efeito em massa nos mercados financeiros mundiais. Bom ser citado, para lembrar-nos que sempre há mais de um lado na mesma moeda e que existem riscos altos, mesmo em Fundos Quants geridos por pessoas inteligentíssimas. O maior risco, ao meu ver, está no uso de alavancagem, ou seja, o uso de dívida para a compra de mais ativos, esperando em uma grande valorização. No caso do Renaissance isso vem dando certo por 30 anos, mas no caso do Long Term Capital, custou a vida do Fundo.

Enfim, nada tira o mérito de Jim Simons, que teve nos quase 30 anos de Fundo Medallion, retornos maiores que lendas como Warren Buffett, John Paul Tudor Jones, Soros, Munger, entre outros.

 

Um grande abraço,
Eliseu

FONTE: https://bugg.com.br/2019/11/30/jim-simons-retornos-maiores-que-lendas-como-buffett-soros-tudor-jones-munger/

RESULTADO VALID (VLID3) 3T19 – Recuperando terreno com o melhor Ebitda da história da Cia!

07 de novembro de 2019 às 16:33 Por Postado em Blog do Eliseu

A Valid liberou seu resultado recentemente. A Receita Líquida no trimestre, apresentou um crescimento de 18,8% na comparação com o 3T18 (R$ 569,0 milhões vs. R$ 478,9 milhões). No acumulado do ano, o crescimento foi de 13,4%, na comparação com o mesmo período em 2018. No 3T19, o incremento de Receita Líquida é devido principalmente à Receita da operação de Meios de Pagamentos no Brasil e no exterior, que juntas apresentaram crescimento de 51,9%. As operações no exterior apresentaram crescimento de 8,8% no 3T19 vs. 3T18 (US$ 66,5 milhões vs. US$ 61,1 milhões). No acumulado do ano, apresentou-se um crescimento de 10,4% (US$ 182,8 milhões contra US$ 165,6 milhões).

Já o EBITDA de R$ 97,6 milhões no 3T19,teve um crescimento de 20,3% contra o 3T18, sendo explicado pelos resultados de Meios de Pagamentos no Brasil e nos Estados Unidos e também na divisão de Mobile. No acumulado do ano o EBITDA totalizou R$ 228,4 milhões, 1,2% abaixo do mesmo período em 2018. Excluindo os efeitos devido a adequação à Norma IFRS16, o EBITDA do trimestre e ano teriam totalizado respectivamente R$ 91,0 milhões e R$ 211,0 milhões, respectivamente.

Fonte: Release VALID 3T19

 

Quanto ao lucro Líquido no 3T19, foi de R$ 31,7 milhões contra R$ 23,8 milhões no 3T18, um crescimento de 33,2%. No acumulado do ano, o Lucro Líquido atingiu R$ 51,7 milhões vs. R$ 57,0 milhões nos 9M18. Excluindo o ajuste para adequação à norma IFRS16, o Lucro Líquido foi de R$ 36,9 milhões no 3T19 e R$ 55,0 milhões no acumulado do ano.

 

Comentários

Após um primeiro semestre bastante desafiador, no 3T19 o EBITDA foi de R$ 97,6 milhões, o maior EBITDA da história da Companhia, com margem de 17,2%, 2.5 p.p acima da margem apresentada nos primeiros seis meses de 2019.

A Receita Líquida apresentou um crescimento de 18,8% na comparação entre os períodos, como reflexo do melhor desempenho das divisões de Meios de Pagamentos tanto no Brasil quanto no exterior. Já na divisão de Identificação no Brasil, foram emitidos mais de 2,0 milhões de documentosno 3T19 depois da queda acentuada no 2T19, principalmente no mês de junho, com a redução de 6% do volume de emissão de documento contra o 2T18. Quanto aos Meios de Pagamento, a queda nas vendas e aumento de custos relativos ao forte impacto das chuvas no final de março que afetaram o mês de abril já foram regularizados, e os resultados da divisão no 3T19 é um claro reflexo da diminuição dos custos aliado também a: (i) Um incremento de volume no Brasil de 9,5% na comparação com o 3T18; (ii) Entrega de 65% das provas do INEP (R$ 76 milhões) e (iii) Melhor mix de vendas nas regiões que atuamos totalizando um crescimento de Receita Líquida de 51,9%.

 

A Receita Líquida total da Companhia atingiu R$ 569,0 milhões no terceiro trimestre de 2019, um crescimento de 18,8% na comparação com 2018, devido ao crescimento de Receita na divisão de Meios de Pagamentos e 8,8% de incremento de receita devido às operações no exterior, que totalizaram US$ 66,5 milhões vs. US$ 61,1 milhões. No acumulado do ano a Receita Líquida da Companhia atingiu R$ 1.459 milhões vs. R$ 1.287 milhões no mesmo período em 2018, um crescimento de 13,4%. Lucro Líquido Contábil foi de R$ 31,7 milhões contra R$ 23,8 milhões no 3T18, um crescimento de 33,2%. Excluindo os efeitos da Norma IFRS 16, totalizou-se um Lucro Líquido Ajustado de R$ 36,9 milhões, 55% acima do 3T18. No acumulado do ano, ele atingiu R$ 51,7 milhões vs. R$ 57,0 milhões nos 9M18 e, excluindo os efeitos da Norma IFRS 16, atingiram um lucro de R$ 55,0 milhões, 3,5% abaixo na comparação entre os períodos. Abaixo, o Resultado Financeiro do 3T19:

Fonte: Release VALID 3T19

 

O 3T19 apresentou uma melhora significativa de margem contra os primeiros seis meses do ano, 2,5 p.p. acima, totalizando 17,2% vs. 14,7%, com incremento de margem em todas as linhas de negócio com exceção a divisão de Mobile que, conforme esperado para o segundo semestre do ano, apresenta um pior mix de vendas para regiões menos rentáveis.

Fonte: Apresentação VALID 3T19

No ano de 2019, houve uma geração de caixa operacional positiva no montante de R$ 155 milhões contra R$ 145,9 milhões nos 9M18.

Fonte: Release VALID 3T19

A companhia manteve o compromisso de distribuir pelo menos 50% do Lucro Líquido ajustado sem que isto comprometa a política de crescimento também através de aquisições e desenvolvimento de novos negócios.

 

TELECONFERÊNCIA DA VALID

Sobre privatizações que devem acontecer e que estão na mesma área da Valid, ocorreram mais de 120 emendas nos últimos projetos, algo deve sair em novembro de 2019 e a Valid está atenta a aquisições possíveis, pois vêem muita sinergia.

Sobre as carteiras de motoristas, as mesmas não terão mais renovação por 10 anos e sim de acordo com a idade, segundo a Empresa.

Opinião do Eliseu:  

Empresa começa a demonstrar evolução e acredito que é um dos ativos a ficarmos de olho. Não tenho o ativo, porém chama atenção a forte evolução mais a possibilidade de aquisições estratégicas via privatização, venda de empresas estatais na área que a Valid está inserida. O management já mencionou que está de olho nessas aquisições na Teleconferência. Ativo negocia a 13x lucros, abaixo da média histórica, tem possibilidade de crescimento e vem focando no meio digital. Lembro que isso não é uma indicação de compra ou venda, apenas comentários sobre o ativo.

 

Um grande abraço!

Eliseu

FONTE: https://bugg.com.br/2019/11/07/resultado-valid-vlid3-3t19-apenas-o-melhor-ebitda-da-historia/

RESULTADO PETRORIO (PRIO3) 3T19: Dívida controlada, gerando caixa em um setor que não é modinha

07 de novembro de 2019 às 16:29 Por Postado em Blog do Eliseu

A Petrorio liberou seus resultados recentemente. Mesmo com a queda do Brent médio, a empresa conseguiu lucrar mais, lembrando que no último trimestre de 2019, aparecerá os outros 18% da aquisição de Frade. Esse é um ativo que tenho carinho especial, eis que comecei a comprar as ações de Petrorio nos R$2,30 a valor de hoje. Sim, eu sei que não é bom mencionar a palavra carinho, um sentimento por ações, eis que se estamos possuindo prazer ao investir, não estamos investindo, pois investir não deveria ser um jogo, uma aposta… Logo não deveríamos ter sentimentos pelas ações que compramos. Mesmo assim, é um investimento que me deu ótimos lucros (mais de 635% desde as primeiras compras até hoje) e que há a possibilidade de chegar a um valor maior.

Nesse trimestre, a receita teve um aumento de 78% vs o 3T18. Ocorreu uma queda no lifting cost para US$ 22,9/bbl, contra S$ 26,6/bbl do trimestre passado.

O lifting cost total da Companhia apresentou redução de 14% ano contra ano e de 4% frente ao 2T19, como pode ser notado no gráfico acima. Foi verificado no trimestre uma sinergia entre as operações de Frade e Polvo e também a redução de custos operacionais favorecendo as operações.

Já o queridinho EBITDA (que grande parte do mercado olha como geração de caixa, mas que acredito que é preciso ir mais a fundo para verificar a efetiva geração de caixa de uma empresa) ajustado (ex-IFRS 16) de R$ 215,9 MM, possuindo a maior margem já reconhecida para um trimestre, na ordem de 54%. Foi também o maior EBITDA ajustado por barril da história da PetroRio,na ordem de US$ 31,5/bbl.

Um dos pontos que gosto de observar, mesmo com a menor taxa de juros de nossa história e os efeitos mais positivos da alavancagem nesse tipo de cenário, é a dívida líquida e nesse trimestre, ocorreu uma queda acelerada na dívida líquida para 1,2x Dívida Líquida/Ebitda, o que permite alavancagem para aquisições que aparentemente estariam em negociação, inclusive há possibilidade de aquisição do restante de Frade, pertencente à Petrobrás.

Nesses últimos 12 meses, a empresa vem visando crescer, tomou dívidas em janeiro de 2019 no valor de US$ 224 milhões com a Chevron como parte do financiamento da aquisição de Frade, possuindo prazo de dois anos e custo de Libor (Taxa referência para grandes financiamentos de curto prazo usada pelo mercado interbancário internacional) + 3% a.a., o que é vantajoso sendo que a parte mais relevante é que essa dívida será paga com parte do fluxo de caixa do próprio ativo. Outra dívida tomada recentemente foi na ordem de US$ 48 milhões.

Como resultado da maior geração de caixa livre e o maior nível de EBITDA com a incorporação da participação de 51,74% de Frade, a companhia conseguiu reduziu o índice de alavancagem. A Companhia estima chegar ao final dos primeiros 12 meses após a incorporação da participação em Frade (que se encerrarão no 1T20), com este indicador abaixo de 1,0x.

Sobre o lucro líquido, ele foi impactado por um efeito não-caixa da variação cambial sobre os passivos em dólar, onde na prática, não trouxe nenhum efeito à Companhia, uma vez que as receitas são predominantemente dolarizadas.

Sobre o principal deste trimestre, Frade teve produção 15,4% superior ao mesmo período do ano anterior e 18% maior do que o estimado para o trimestre se considerado o declínio natural do Campo no momento da incorporação do ativo. Tudo isso ocorreu pela eficiência operacional da Petrorio, através de estimulações e medidas tomadas para aumentar a produção.

Como resultado da maior geração de caixa livre e o maior nível de EBITDA com a incorporação da participação de 51,74% de Frade, a Companhia reduziu o índice de Net Debt/ EBITDA de 3,3x no 1T19 para 1,2x, considerando  3T18 o EBITDA ajustado ex-IFRS 16. A Companhia estima chegar ao final dos primeiros 12 meses após a incorporação da participação em Frade (que se encerrarão no 1T20), com este indicador abaixo de 1,0x.

Futuro

A Companhia pretende continuar na eficiência operacional, revitalizando os poços até o final do ano, com duração de até dois meses, e que o investimento inicial para a perfuração da primeira etapa será de aproximadamente US$ 20 milhões.  Ela estima ainda, que as perfurações desta etapa poderão adicionar entre 3 e 6 milhões de barris de óleo às reservas da Companhia, a serem confirmadas no relatório de certificação de reservas. Concluída a primeira etapa, os dados coletados serão utilizados para a decisão dos investimentos da segunda etapa, que poderão incluir os prospectos Arpoador e Piratininga. Os investimentos previstos para toda a Fase 3 em Polvo poderão chegar a U$ 60 milhões, a depender do sucesso e completação de todos os quatro poços prospectados.

 

Posição em Títulos e Valores Mobiliários

Uma das questões que me preocupava ano passado era o investimento em ações da Oi, porém, a companhia acabou realizando a venda quase total. Ficaram ainda R$ 4.997 milhões, o que não é nada perto do valor anterior. Fui atrás das notas explicativas e os investimentos atuais demonstram que a Empresa está realizando investimentos de maneira mais conservadora, como mostrado abaixo:

Minha opinião: O ativo negocia a 3,4x Ebitda, gerando caixa, realizando aquisições como Manati que deu uma TIR de mais de 66%, aquisições essas que se pagam em pouco tempo. PRIO também vem ganhando expertise, está inserida em um nicho de campos maduros, o que não é a principal atração para outras empresas do setor. Há ainda uma experiência em aumentar o prazo de exploração dos campos, o que traz um diferencial para a empresa. Para 2020, acredito no preço de R$ 28,48. Saliento que isso não é uma indicação de compra, mas sim apenas comentário do que tenho e estou fazendo.

 

Um grande abraço!

Eliseu

FONTE: https://bugg.com.br/2019/11/07/petrorio-divida-controlada-gerando-caixa-em-um-setor-que-nao-e-modinha/