Blog Central do Investidor Blog Central do Investidor

O que esperar da Poupança para 2020?

17 de fevereiro de 2020 às 19:37 Por Postado em Blog da Samantha

Criada há quase 160 anos pelo Imperador Dom Pedro II, a caderneta de poupança continua sendo um dos investimentos mais utilizados pelos brasileiros. Porém, passado um século e meio de sua criação, e com inúmeras possibilidades de aplicações com melhores rendimentos e mesma segurança, você realmente acredita que ela continua sendo um bom investimento?

Não há dúvidas que, com a sequente queda de juros no País, Selic a 4,25% ao ano, o menor nível histórico, a poupança está rendendo muito aquém do esperado. Especialistas afirmam que esse ano deve render 2,975% a.a e a inflação, segundo o Boletim Focus deve ficar em 3,25% ao ano.

Ou seja, quem hoje está com o dinheiro aplicado na caderneta de poupança não está apenas “perdendo dinheiro”, mas “deixando de ganhar mais dinheiro”, tendo em vista já existir melhores possibilidades em corretoras, e assim evitar ao máximo a perda do poder de compra causado pela inflação.

Portanto, já não basta apenas poupar, se faz necessário estudar e investir com inteligência para não se perder dinheiro. O mais legal é que de forma simples e fácil já é possível começar.

E como poupar?

– Elimine suas dívidas;

– Crie uma reserva de emergência

– Comece poupando no mínimo 10% os seus ganhos

– Faça aportes constantes

– Invista em CDBS, LCIs e LCAs que são boas alternativas para    quem está na poupança

– Reinvista o lucro.

Acima dados de aplicações que renderam em 2019 mais que a poupança.

Conforme o INFOMONEY, nos últimos 12 meses até janeiro a caderneta rendeu 4,14% e hoje passando para 4,25% ao ano. O retorno como já mencionado passa a ser de 2,975%, continuando a perder para inflação bem como para as aplicações tidas como conservadoras.

Resumindo:

– Se você está com dinheiro na poupança, o FATO é que está perdendo dinheiro, infelizmente;

– Com a queda de juros não basta apenas poupar e sim saber onde aplicar.

E por fim, vale lembrar:

“Saber não é o suficiente. É preciso FAZER. Uma grande ideia é sensacional, mas sem ação, ela não vale nada”. – Ricardo Amorim

Uma ótima semana, e até a próxima!

Samantha Thielke

samantha@experato.com.br

O SUITABILITY E O PERFIL DO INVESTIDOR

11 de fevereiro de 2020 às 09:03 Por Postado em Blog da Samantha

 

O termo é inglês, pode até soar estranho, mas possui um significado muito simples, aptidão. O Suitability é uma ferramenta utilizada pelas corretoras e que tem como objetivo classificar o investidor através de um questionário que deve ser preenchido, quanto ao seu perfil de risco.  Existe uma diversidade de investimentos hoje no Brasil, desde os mais conservadores, até os considerados mais agressivos e para investirmos de forma adequada, e evitar futura “dor de cabeça”, se faz importante a análise de qual perfil o investidor se enquadra.

Nesse aspecto, existem três perfis distintos que devem ser observados e não devem ser negligenciados pelo investidor, sendo eles: conservador, moderado e agressivo.

De forma bastante simples, o conceituado especialista em finanças Lawrence J. Gitman divide as aplicações financeiras em dois grupos básicos, os de renda variável e os de renda fixa, sendo os primeiros aqueles que podem variar o principal e se desconhece o rendimento futuro e os de renda fixa, que tem uma característica de render juros baseado no tempo, uma espécie de aluguel de dinheiro.

Então vamos ver um pouco sobre cada perfil:

CONSERVADOR

O Conservador é aquele investidor que preza na hora de aplicar seu dinheiro por Segurança e possui certa aversão ao risco. Logo, investimentos como renda variável e aplicações com maiores oscilações não são toleradas. Normalmente a carteira indicada é formada com ativos 100% em renda fixa.   A palavra chave aqui é Segurança!

MODERADO

Esse perfil busca pelo chamado “meio termo”. Tolera um risco um pouco maior, optando por um portfólio com ativos mais diversificados, seja em renda fixa e renda variável. O recomendado por especialistas é um percentual de 70% em renda fixa e 30% em renda variável.

AGRESSIVO

Sem dúvidas que esse perfil preza por uma maior rentabilidade, pois conhece o mercado financeiro com mais afinco, sem necessidade de alta liquidez dos seus ativos e, além disso, tolerando medianas oscilações, bem como o RISCO.

Mas e por que seguir essa classificação na hora de Investir?

O mercado financeiro é bastante amplo. Saber qual o seu perfil e respeitá-lo será primordial para realizar boas escolhas na hora da alocação. Fazer um planejamento adequado e evitar aplicações que não condizem com a sua expectativa, ainda mais quando se está iniciando, é o ideal.

Resumindo…

– Descubra o seu perfil de investidor;

– Respeite esse perfil no momento da alocação;

– Busque sempre o auxílio de um profissional;

– A máxima que nunca sai de moda: ESTUDE!

E claro, se comprometa sempre com seus objetivos. Lembrando que: o melhor investimento é sempre aquele adequado ao seu perfil.

 

E você, já sabe qual o seu perfil de Investidor?

Um abraço, e até a próxima!

Samantha Thielke

samantha@experato.com.br

INVESTIMENTOS: Por onde começar?

30 de janeiro de 2020 às 17:50 Por Postado em Blog da Samantha

Frequentemente, quando começamos a nos dar conta que investir é necessário e essencial para um futuro com maior segurança financeira e qualidade de vida, o questionamento mais comum é: por onde eu devo começar?

Investir nunca foi tão fácil e simples. Sim, eu sempre falo isso, e pode parecer clichê, porém, já dizia George Lucas (com fortuna estimada em 5 bilhões de dólares) que- “clichês só são clichês porque funcionam”.

Hoje existe um leque de possibilidades e profissionais qualificados, bem como, plataformas seguras para se começar a investir. Informações por todos os lados.

Claro que não existe uma regra ou um modelo considerado o ideal quando o assunto é investimento, no entanto, alguns passos devem ser levados em consideração para iniciarmos de forma segura.

  1. Não gastar mais do que se ganha. Não é o quanto se ganha, mas o quanto se gasta que faz total diferença;
  2. Reserva financeira ou “colchão financeiro”- após eliminar dívidas, o ideal é definir o percentual da renda a ser destinada como reserva financeira. Uma dica importante aqui é fazer uma planilha com gastos mensais para iniciar um bom planejamento.
    Segundo dados da Sunoresearch, 6 a cada 10 brasileiros (60%) não têm nenhuma reserva financeira para encarar a velhice. Cerca de 99% da população brasileira não vai conseguir viver dos próprios recursos após os 60 anos. E 80% afirmam que não têm planos e o pior, não estão se planejando para a velhice.
  3. Abertura de conta na corretora. O próximo passo é abertura da conta na corretora. Hoje existem várias opções disponíveis no mercado. Busque por plataformas seguras. O legal é que a maioria possui isenção de taxas para abertura e manutenção de conta.
    Em mercados mais maduros do que o nosso, as pessoas já investem fora de bancos há muitos anos, através de empresas especializadas em investimentos. Para se ter uma ideia, nos Estados Unidos, 96% dos investidores fazem suas aplicações através de instituições especializadas.
  4. Descobrir o seu perfil de investidor. Outro passo importante na hora de começar a investir é descobrir o seu perfil de investidor. Eles se dividem em três principais categorias: conservador, moderado e agressivo e é de suma importância para evitar incorrer em futuros erros.
  5. ESTUDE! Estudar é indispensável, ainda mais quando o assunto é investimento. Conhecimento é poder!
  6. AÇÃO! Seguindo os passos anteriores, vamos partir para as aplicações. Existe um portfólio com incontáveis possibilidades dentro das plataformas. Renda fixa, renda variável, fundos de investimentos. A própria XP Investimentos possui mais de 400 fundos.

Por fim, e não menos importante: tenha METAS bem alinhadas com seus OBJETIVOS. E não se esqueça:

Feito é melhor que perfeito!

E claro, busque auxílio para começar.

A Experato Investimentos conta com assessoria especializada, basta acessar:

http://experatoinvestimentos.com.br/contato/

 

Até a próxima!

samantha@experato.com.br

INVESTIMENTOS: O que esperar para 2020?

29 de janeiro de 2020 às 08:50 Por Postado em Blog da Samantha

Mais um ano iniciando, e com ele muitos desafios… Mas o que esperar para 2020 quando o assunto é investimento?

O ano de 2019 foi marcado pelos cortes na taxa Selic, que passou de 6,50% ao ano e hoje está a 4,5%, o menor nível da história, e com previsão de ainda mais redução pelo Banco Central- quando no passado já chegou a 14,25% (2016). Com as constantes quedas nos juros, o questionamento feito nesse cenário é: onde investir?

É claro que, não existe uma resposta factual, sendo primordial conhecer em um primeiro momento o perfil do investidor, pois, através deste estabelecido que se faz possível começar a investir de forma adequada, visto que não existe um padrão a ser seguido, tampouco um modelo de carteira a ser aplicado de forma unânime.

Sabemos que 2019 foi um ano demasiadamente desafiador e transformador em vários segmentos no País e, em relação aos investimentos, não foi diferente.

Vimos investidores com um perfil mais conservador diminuindo a sua concentração em renda fixa e migrando para uma carteira mais diversificada, se expondo um pouco mais em ativos como a renda variável em busca de uma rentabilidade maior.

Nesse sentido, acreditamos que em 2020 o cenário será muito positivo, com previsão de mais cortes nas taxas de juros, gerando uma economia ainda mais estável e com inúmeras oportunidades ao investidor. Consideramos também uma larga expansão no número de investidores para a renda variável dada a conjectura de queda de juros.

Por fim, investir exige estudo e análise profunda de cada ativo para a composição de uma carteira bem estruturada e sólida, portanto, direção vale mais do que velocidade. Aqui vale a máxima:

O melhor investimento é aquele que está alinhado ao seu perfil e a seus objetivos!

Um abraço, e até a próxima!

samantha@experato.com.br

Mulheres e Investimentos: O que nos limita?

23 de dezembro de 2019 às 18:39 Por Postado em Blog da Samantha

 

É com imenso prazer que escrevo meu primeiro post para a Central do Investidor e, como mulher e assessora de investimentos, pude observar a predominância masculina nesse meio. Mas por que as mulheres ainda são minoria quando o assunto é investimento?

Não há dúvidas que nas últimas décadas as mulheres vêm ocupando lugar de destaque nos mais diversos setores, mas, no que se refere ao mercado financeiro, embora haja dados de crescimento, pode-se dizer que este ainda é lento e a diferença, quando comparado com os homens, discrepante.

Sabemos que essas diferenças carregam características históricas e, ainda hoje elas muitas vezes acabam ganhando remuneração mais baixa, possuindo menos acesso ao dinheiro quando comparado com os homens (INFOMONEY, 2018).

De acordo com a BM&F Bovespa, houve crescimento na participação de mulheres na Bolsa de Valores do país que conta hoje com quase 300 mil. Porém, dados do Tesouro brasileiro constataram que apenas 25,5% das pessoas que investem são mulheres. Na bolsa de valores, o número é ainda menor: 11,08%. A população feminina, segundo o IBGE é maior no país, quase 52% (INFOMONEY).

Mas o que nos limita?

Podemos elencar algumas características presente em mulheres que ainda não investem, dentre elas as desculpas como a falta de tempo para investir, a insegurança e pouca informação são recorrentes.

Está com medo? Vai com medo mesmo, comece o mais rápido possível! O maior arrependimento com certeza é o de não ter começado antes.

Pontos a serem explorados por ELAS:

  1. Positivismo- as mulheres costumam reagir de forma mais positiva em momentos conturbados, bem como, com as instabilidades recorrentes do mercado financeiro, mantendo-se firmes;
  2. Segundo a pesquisa realizada pela Nutmeg Saving Invrestment, a desistência da aplicação financeira no mercado desestabilizado é QUATRO vezes maior por parte dos homens, comparando com as mulheres.
  3. Aversão a risco e conservadorismo– estudos apontam que as mulheres são mais avessas ao risco e têm menos probabilidade de correr riscos do que os homens (Barsky, Joseph, Kimbal e Shapiro,1977).
  4. SONHAR. Isso mesmo. As mulheres costumam ter muitos sonhos e, nesse aspecto, o autor DOMINGOS em seu livro “Eu mereço ter dinheiro”, destaca o sonho como o principal elemento que motiva as pessoas a criarem as condições necessárias para realizarem aquilo que desejam.  Para ele, é fundamental começar registrando os sonhos pelo menos uma vez por ano e especificar os de curto, médio e longo prazo. Afirma que o sonho deve ser prioridade na nossa vida, pois é o que provoca a verdadeira mudança, que estimula as pessoas a mudarem o comportamento.

 

Como visto, muitos são os DESAFIOS para mudarmos esse cenário, mas não desistimos com facilidade, não é mesmo? She can!

Por fim, termino com Domingos,

Na vida financeira, no final das contas, tudo é muito simples! Se você despertar do automotismo, enxergar o que de fato merece, listar seus sonhos, efetuar o diagnóstico de suas despesas, fizer os cortes necessários, priorizar decisões, controlar o seu dinheiro e passar a poupá-lo, será com toda certeza, uma pessoa próspera.

 

Um abraço, e até a próxima!

samantha@experato.com.br

Grandes Investidores: Luiz Barsi Filho, um dos maiores investidores pessoa física do Brasil

21 de dezembro de 2019 às 17:09 Por Postado em Blog do Eliseu

Aqui quem vos escreve aqui é o Eliseu. Desde o início da minha jornada no mundo de investimentos procurei ler, estudar e buscar mais e mais conhecimento. Hoje, passados 15 anos, sigo aprendendo, mas posso garantir para vocês que o que mais me ajudou nessa caminhada, foi estudar o que os grandes mestres, os grandes nomes, grandes gestores de mercado fizeram e ensinaram. Por isso resolvi compartilhar com vocês aqui no Bugg, o que aprendi, através dessa série “Grandes Investidores”. Espero que os ajude, assim como esses ensinamentos têm me ajudado a ser um investidor melhor.

Luiz Barsi Filho – Biografia e vida pessoal

Luiz Barsi Filho é um dos investidores mais antigos da bolsa brasileiro que tornou-se mais conhecido nos últimos anos. Nasceu em 10 de março de 1939, em São Paulo. Há mais de 66 anos ele é investidor e merece ter sua história contada aqui. Filho de imigrantes que vieram da Espanha, morou no Brás em uma casa pequena. Seu pai faleceu quando ele tinha apenas um ano de idade e aos noves anos ele começou a trabalhar como engraxate. Já aos 14 anos ele começou a trabalhar em uma corretora, começando a comprar ações. Fez Faculdade de Direito e Economia, Escreveu sobre investimentos no Diário Popular, por 18 anos.

É conhecido como Warren Buffett Brasileiro, pois tem mais de R$ 2 bilhões em investimentos.

Modus operandi 

Não é segredo e fica evidente que a maioria de quem realmente ganha dinheiro com investimentos na bolsa de valores é investindo, é pensando no longo prazo e é estudando empresas boas, que geram lucro, têm um bom fluxo de caixa e não é diferente com Luiz Barsi Filho. Ele é seguidor da filosofia de value investing, e é o maior investidor pessoa física de nossa Bolsa.

Por eu trabalhar há mais de 15 anos no mercado financeiro, a gente conversa muito com investidores e pessoas que trabalham no mercado de investimentos e uma das coisas que poucos sabem e que comento em primeira mão, já que não vi nada a respeito na internet e em artigos que li, é que Luiz Barsi Filho por várias vezes comprava ações no mercado fracionário, e aí unia as ações tornando-as um lote e vendia os lotes cheios, comprando novamente no fracionário e repetindo isso o máximo que pudesse, realizando uma arbitragem, sem qualquer risco ao realizar esse procedimento. Conta-se que na época os preços do mercado fracionário eram menores e com isso, as ações poderiam ser unidas em lotes e vendidas por um valor acima do que foram compradas proporcionalmente. Não sei se isso é realmente verdade, mas trata-se de aproveitar uma grande oportunidade e mostra a inteligência de Luiz Barsi, aproveitando condições do mercado para fazer mais dinheiro. “Dinheiro, serve para fazer dinheiro”, é uma das frases que ele mais usa e que encaixa perfeitamente nesse caso.

Investindo em empresas com tradição

A carteira de Barsi possui 15 empresas, sendo o Banco do Brasil a Empresa que ele tem há mais de 32 anos. Ele defende que investir em empresas que estão há um bom tempo no mercado, aumenta a probabilidade de acertos. Banco do Brasil tem 200 anos. Klabin que é outra investida por ele tem 120 anos.

Fazem parte da carteira de Luiz Barsi: Vale, Banco do Brasil, AES Tiete, Cemig, Eletrobrás, Eletropaulo, Eternit, Klabin, Santander, Suzano, Taesa e Unipar.

Um dos erros de quem está começando é tentar copiar a carteira de grandes investidores. Em época de twitter e redes sociais, fica mais fácil encontrar a carteira desses investidores, porém isso não é correto, o mais apropriado é entender o motivo da escolha de determinadas ações e assim ir evoluindo, criando um próprio sendo crítico com o tempo e montando a sua própria carteira. Seguir os outros e seus investimentos, pode nos deixar cegos e a pessoa que seguimos pode estar caminhando para o precipício e você estar indo sem perceber, pois está apenas seguindo outra pessoa.

Estratégia resumida de investimentos 

  • Procurar ajuda de um especialista no início;
  • Estabelecer metas alcançáveis;
  • Traçar um objetivo de longo prazo;
  • Ter disciplina;
  • Ser consistente nos resultados, nos aportes, ter paciência e esperar;
  • Não postergar o começo do investimento, não “deixar para segunda-feira”;
  • Focar em dividendos e em empresas sólidas, lucrativas e com alto percentual de distribuição de lucros;
  • Reinvestir os ganhos, acelerando o poder dos juros compostos;
  • Comprar barato, diferenciando preço e valor;
  • Observar o mercado e ser paciente, pensando no longo prazo, SEMPRE!

 

Um grande abraço,
Eliseu

FONTE: https://bugg.com.br/2019/12/21/luiz-barsi-filho-o-warren-buffett-brasileiro/