Mulheres e Investimentos: O que nos limita?


 
É com imenso prazer que escrevo meu primeiro post para a Central do Investidor e, como mulher e assessora de investimentos, pude observar a predominância masculina nesse meio. Mas por que as mulheres ainda são minoria quando o assunto é investimento?
Não há dúvidas que nas últimas décadas as mulheres vêm ocupando lugar de destaque nos mais diversos setores, mas, no que se refere ao mercado financeiro, embora haja dados de crescimento, pode-se dizer que este ainda é lento e a diferença, quando comparado com os homens, discrepante.
Sabemos que essas diferenças carregam características históricas e, ainda hoje elas muitas vezes acabam ganhando remuneração mais baixa, possuindo menos acesso ao dinheiro quando comparado com os homens (INFOMONEY, 2018).
De acordo com a BM&F Bovespa, houve crescimento na participação de mulheres na Bolsa de Valores do país que conta hoje com quase 300 mil. Porém, dados do Tesouro brasileiro constataram que apenas 25,5% das pessoas que investem são mulheres. Na bolsa de valores, o número é ainda menor: 11,08%. A população feminina, segundo o IBGE é maior no país, quase 52% (INFOMONEY).

Mas o que nos limita?
Podemos elencar algumas características presente em mulheres que ainda não investem, dentre elas as desculpas como a falta de tempo para investir, a insegurança e pouca informação são recorrentes.
Está com medo? Vai com medo mesmo, comece o mais rápido possível! O maior arrependimento com certeza é o de não ter começado antes.
Pontos a serem explorados por ELAS:

  1. Positivismo- as mulheres costumam reagir de forma mais positiva em momentos conturbados, bem como, com as instabilidades recorrentes do mercado financeiro, mantendo-se firmes;
  2. Segundo a pesquisa realizada pela Nutmeg Saving Invrestment, a desistência da aplicação financeira no mercado desestabilizado é QUATRO vezes maior por parte dos homens, comparando com as mulheres.
  3. Aversão a risco e conservadorismo– estudos apontam que as mulheres são mais avessas ao risco e têm menos probabilidade de correr riscos do que os homens (Barsky, Joseph, Kimbal e Shapiro,1977).
  4. SONHAR. Isso mesmo. As mulheres costumam ter muitos sonhos e, nesse aspecto, o autor DOMINGOS em seu livro “Eu mereço ter dinheiro”, destaca o sonho como o principal elemento que motiva as pessoas a criarem as condições necessárias para realizarem aquilo que desejam.  Para ele, é fundamental começar registrando os sonhos pelo menos uma vez por ano e especificar os de curto, médio e longo prazo. Afirma que o sonho deve ser prioridade na nossa vida, pois é o que provoca a verdadeira mudança, que estimula as pessoas a mudarem o comportamento.

 
Como visto, muitos são os DESAFIOS para mudarmos esse cenário, mas não desistimos com facilidade, não é mesmo? She can!

Por fim, termino com Domingos,
Na vida financeira, no final das contas, tudo é muito simples! Se você despertar do automotismo, enxergar o que de fato merece, listar seus sonhos, efetuar o diagnóstico de suas despesas, fizer os cortes necessários, priorizar decisões, controlar o seu dinheiro e passar a poupá-lo, será com toda certeza, uma pessoa próspera.
 
Um abraço, e até a próxima!
samantha@experato.com.br

Artigos relacionados