O que fazer no momento atual?

Aqui quem vos escreve aqui é o Eliseu. Desde o início da minha jornada no mundo de investimentos procurei ler, estudar e buscar mais e mais conhecimento. Hoje, passados 15 anos, sigo aprendendo, mas posso garantir para vocês que o que mais me ajudou nessa caminhada, foi estudar o que os grandes mestres, os grandes nomes, grandes gestores de mercado fizeram e ensinaram. Por isso resolvi compartilhar com vocês aqui, o que aprendi e venho aprendendo. Espero que os ajude, assim como esses ensinamentos têm me ajudado a ser um investidor melhor.
Semana Turbulenta nos preços mas melhora para quem investe
A semana foi de batismo para os investidores que entraram recentemente no mercado de ações brasileiro. Do topo de 119.534 pontos até a mínima de sexta-feira, 99.950 pontos, o Ibovespa oscilou -16,39%, provocando preocupação e cautela, principalmente naqueles que caíram no mercado de para-quedas recentemente. Entre dezembro de 2018 e fevereiro de 2019, o número de investidores pessoa física saiu de 800 mil para 1,850 milhão, mais do que dobrando a base. O fato é que a maioria dos investidores brasileiros não está acostumada com esses dias intensos e voláteis, que chamaram atenção no Brasil e no mundo.

Oscilação de 3 dias e 16,39% trouxe cautela a muitos investidores

Queda histórica nos EUA
A queda ocorrida nessa semana no Dow Jones foi a quinta maior da história, como podemos ver abaixo. Chama atenção a velocidade dessa queda..

Sobre o SP500, um dos índices de ações americanos, a maioria dos setores que o compõem, teve a pior semana desde 2008. A tabela abaixo compila os dados setoriais mostrando as variações diária e semanal, comparando-as com outras semanas difíceis para o mercado. O setor de energia já está em bear market (quando cai 20% da maior cotação atingida).

Mercado Sobrevendido?
O que mais chama atenção na correção atual é a velocidade da correção. Existem alguns indicadores de análise técnica que ajudam a mostrar isso…um deles é o índice de força relativa, o qual busca medir a aceleração do movimento dos preços de determinado ativo … ele é usado para mensurar quais ações estariam assim “sobrevendidas” (oversold) …foge ao escopo desse artigo, mas no momento atual, 63% das empresas do S&P estariam nesse patamar, o qual só pior que 7 momentos anteriores desde 1990 – vide gráfico abaixo. Isso mostra que muitos ativos caíram bem e podem recuperar-se:

VIX (ìndice que mede a volatilidade do mercado e conhecido por ser o “indicador do medo de mercado”, também usado como um seguro para momentos de maior stress) atingiu a maior marca desde 2016, isso que tivemos choques no petróleo, a questão do Brexit, Eleições Americanas e o medo Trump, Guerra Comercial EUA x China, Questão Stress com North Korea, apenas alguns dos eventos que ocorreram recentemente e que corrobora com o sentimento de que o momento atual é de alta volatilidade…

Já a curva de juros americana caiu forte, ou seja, com os investidores buscando segurança nos títulos americanos – lembrando que quando preço dos títulos sobem a remuneração dos títulos que é fixa, acaba caindo. Fora isso muitos especulam com o possível  corte de juros. Abaixo a curva de juros de 10 anos que aponta para uma patamar bastante baixo de juros após as quedas recentes:

Bolsa americana… 
No momento atual a SP500 negocia a 28,05 vezes os lucros anuais atualizados pela inflação, onde a média é de 17 vezes. Recentemente o patamar era de 33 vezes e a média 16,7 vezes. O ápice foi na “bolha ponto com” e o ponto mais baixo em 1920, com 4,78 vezes. Cabe salientar que os juros estão nos menores patamares da história, então temos que colocar isso como desconto.

E a bolsa brasileira…
Hoje o Ibovespa negocia a um patamar de 12x seu lucros projetados de 12 meses …. Aqui vale uma ressalva de que muito provavelmente veremos uma revisão para baixo nesses lucros o que tende a aumentar o número do múltiplo (relação Preço atual/ lucro projetao).
Mas é importante destacar que correções são normais e sadias para o mercado de investimentos, pois permitem a compra de ativos a preços mais atrativos, mais baratos.
Trazendo um pouco de estatítica/história….com exceção do período Dilma, as correções duram em média 102 dias, quando olhamos dados desde 1996 ou 24 anos de mercado – vide tabela abaixo:

Fonte: Empiricus

Por que estou falando tudo isso? 
A ideia é mostrar que a queda atual é forte e rápida, algo anormal. Não tenho bola de cristal, Warren Buffett começou a comprar ativos na crise de 2008, em outubro e a crise só terminou em março de 2009. Se nem ele que é considerado o oráculo acerta o “timming” (hora certa de entrar), porque você e eu deveríamos nos esforçar tentando acertar?
O fato é que alguns setores me parecem baratos, como setor bancário, saneamento e industrial.
As commodities também (IMAT no geral)… esse é um segmento que que tende a ficar mais barato quando o dólar tem uma alta forte, algo que temos visto contra a maior parte  das moedas do globo.
No gráfico abaixo, podemos ver a correlação entre o dólar mais forte e commodities (tirando energia), mostrando que o dólar alto, leva commodities para preços inferiores e quando elas estão mais baratas, é um bom momento de compra, na minha opinião. Por outro lado, penso que ao persistir o sentimento de aversão a risco, a tendência é que o dólar siga se valorizando, sendo assim, o momento é de cautela para commodities e de monitoramento nos preços das mesmas, já que o premio de risco deve aumentar. Abaixo um gráfico que relaciona as commodities com o dólar.

O que fazer neste momento? 
Um investidor consciente e que quer sobreviver no mercado procura por ativos que estão baratos, mantendo a calma e aproveitando momentos de maior volatilidade, para saber mais sobre as empresas que investe, rebalanceando os seus investimentos, alterando ativos mais caros para ativos que ficaram mais baratos, se assim for necessário.
Em momentos de volatilidade muitos investidores seguem o emocional, dando muito influência para notícias de curto prazo, esquecendo que o investimento em ações é para longo prazo e que é bom quando empresas boas estão sendo vendidas por um preço mais convidativo. Há pouco tempo recente era difícil encontrar ativos baratos e com essa queda já começam a aparecer oportunidades como em setores elencados acima, no texto.
Não esquecer a diversificação é outro ponto importante. Muitos investidores esquecem disso em momentos de alta, só aprendendo sobre diversificar quando não possuem mais capital para aportar em momentos de queda forte.
 
Resumo

  • Mercado de ações brasileiro e mundial teve uma queda forte, sendo uma das cinco quedas mais rápidas da história;
  • Preços de ativos corrigem para baixo e para cima, então focar na qualidade das empresas investidas, procurando aproveitar-se do momento de oscilação;
  • Tenha uma estratégia e a siga fielmente, antes de investir sempre, não depois;
  • Acostume-se com a volatilidade, investimento em ações é assim mesmo;
  • Teremos revisões de crescimento dos países para baixo e é isso que mercado vem colocando nos preços também. Um dos maiores bancos dos EUA, o Goldman Sachs, acredita que não teremos crescimento nos lucros das empresas americanas em 2020;
  • O melhor investimento sempre é aquele adequado ao seu perfil.

 
Era isso!!
Um grande abraço,
Eliseu Manica Júnior
Facebook: Eliseu Mânica Júnior
Instagram: @eliseumanicajr
Twitter: eliseumanicaj
FONTE: https://bugg.com.br/2020/03/01/o-que-fazer-no-momento-atual/

Artigos relacionados