O que são os Fundos de Investimentos Imobiliários?

Ele tem chamado a atenção de investidores mais antigos até os novatos no mercado financeiro, principalmente de pessoas físicas, os Fundos de Investimentos Imobiliários.

Antes de investir é importante conhecer e aprender sobre aquele dado ativo que lhe chamou atenção, o conhecimento sempre será o melhor caminho e maior aliado na sua jornada de investidor. Por isso, vamos iniciar falando sobre o que  é essa modalidade de investimento e como ela funciona.

Compreendendo os Fundos Imobiliários

Os Fundos Imobiliários, também chamados como FIIs, são investimentos em renda variável e fazem parte do mercado imobiliário. Basicamente, é a partir dele que o investidor de modo indireto adquire uma fração de um determinado imóvel e ganha sobre ele.

Pode se assim dizer que é uma forma de investir coletivamente, são vários investidores aplicando o seu dinheiro com a finalidade de alavancar o fundo escolhido. Alguns exemplos para lhe ajudar a entender: podem ser hotéis, prédios e hospitais, um bem físico ou em ativos de dívida imobiliária, como a LCI –  Letra de Crédito Imobiliário , CRI –  Certificado de Recebíveis Imobiliários e outros.

Levando em conta essas características, são uma espécie de condomínio fechado, dividido em cotas de pequenas partes. É através da compra delas que o investidor se torna um cotista, ou seja, “dono” ou titular daquela fração.

Por se constituírem desta maneira, o resgate e a aplicação de mais dinheiro no fundo não são permitidos a qualquer momento, por isso, para que o investidor consiga realizar algum desses movimentos ele deve seguir algumas regras como:

Resgate e negociação

  • Em caso de liquidação, aprovada em assembleia geral de cotistas;
  • Quando o prazo de duração do fundo chega ao final, caso possua um, pois existem FIIs que possuem tempo indeterminado;
  • Deve ocorrer por meio da B3;
  • A venda deve ser feita para outro cotista.

Gestão profissional, como funciona ?

Os FIIS são supervisionados e fiscalizados pela CVM – Comissão de Valores Mobiliários, a qual exige que o fundo possua um administrador, responsável pela administração e manutenção.

As principais atribuições de um administrador:

  • Administrar e gerir as obrigações legais e regulatórias;
  • Escolher e adquirir os bens e direitos que farão parte do patrimônio do fundo;
  • Coordenar e fazer a gestão dos ativos;
  • Organizar as assembleias gerais;
  • Divulgar informações sobre o FII.

Por essa modalidade de investimento dispor de um administrador, existe a taxa de administração e performance, cobrada pelos serviços prestados, ela é recolhida do patrimônio do fundo.

Cotista, o investidor

É importante lembrar que todos os cotistas possuem os mesmos direitos e deveres, e ao contrário de um proprietário do imóvel não exercem direito real ao patrimônio do fundo, bem como, não respondem legalmente a questões contratuais do administrador ou do imóvel do fundo.

O papel do cotista é o de escolher o melhor fundo de acordo com seus objetivos, metas e perfil, a sua remuneração é  baseada na quantidade de contas que ele possui.

Captação de recursos, como acontece?

Uma das principais dúvidas dos iniciantes é como acontece a captação de recurso dos FIIs, sabendo que as negociações só podem ocorrer entre investidores.

Então, acontece no momento da IPO – Oferta Pública de Distribuição, que é onde os administradores apresentam o fundo imobiliário aos possíveis investidores, essa é a etapa do aporte inicial.

 Uma curiosidade interessante é que esse processo também é feito com as ações. 

Toda nova oferta deve ser registrada na CVM, a instituição, demanda algumas informações acerca do fundo para que os interessados possam tomar a melhor decisão e conscientemente.

Documento exigido deve conter pontos como:

  • A política de investimentos;
  • Descrição do imóvel;
  • Fatores de risco;
  • Estudo e viabilidade.

Para participar do IPO o investidor deve estar ligado a uma instituição intermediária, só assim vai conseguir reservar e registrar o seu pedido.

Artigos relacionados