O que são Small Caps e porque vale a pena investir


 
Ao pensar em investir em ações, o nome de algumas empresas imediatamente vem à mente como Petrobras, AMBEV, Vale e Itaú. Mas há um conjunto de empresas com ações na Bolsa que é menos procurado e apresenta ótimos potenciais de ganho. São as chamadas small caps, ações de empresas com menor valor de mercado ou que estão presentes a pouco tempo na Bolsa de Valores. Também são conhecidas como ações de terceira linha. Não se deixe enganar pelo nome: são ações de empresas conhecidas, estáveis e com bom potencial de ganho.
Entre as small caps, estão empresas como Magazine Luiza, CVC, Gol, Multiplus, Smiles e Alpargatas. Apesar de terem uma capitalização de mercado menor que o de empresas como as já citadas Petrobras e Vale, por exemplo (conhecidas como blue chips), estas empresas são líderes ou têm uma fatia de mercado significativa em seus respectivos segmentos e costumam apresentar um ótimo retorno aos investidores.
O Índice Small Caps, ou índice SMLL, é utilizado para medir o desempenho deste tipo de ação. Assim como o Índice Bovespa, o Ibovespa, o SMLL é uma carteira teórica de ativos, neste caso composta pelas ações de menor capitalização. Para se ter uma ideia do potencial de ganho das small caps, em 2017 o SMLL teve rentabilidade nominal (sem descontar a inflação) de 49,37% enquanto a rentabilidade nominal do Ibovespa foi de 26,86% no mesmo período.
Além do potencial de valorização, as small caps têm preços mais acessíveis, sendo possível adquirir um lote padrão com menos dinheiro do que um lote padrão de uma blue chip. Os procedimentos de compra e venda são os mesmos para ambas (small caps e blue chips) no entanto, não é possível investir em small caps investindo no índice SMLL. Se você estiver interessado em investir neste índice, deve procurar um fundo de índice de ações, o chamado ETF.
Em contrapartida, este tipo de ação apresenta uma grande volatilidade por se tratarem de empresas em fase de amadurecimento ou crescimento e em segmentos, muitas vezes, ainda não consolidados. Um bom exemplo desta volatilidade é a Ser Educacional (SEER3), empresa privada de ensino que, impulsionada pela procura por ensino privado e pelo FIES (Financiamento Estudantil do governo federal), teve suas ações negociadas a R$30,00 ao final de 2014 e um ano depois viu o preço despencar para R$7,70, ou seja, uma desvalorização de 74,3%! Por isso, procure um assessor de investimentos da Central do Investidor e verifique quais as melhores opções.
Os fatores que mais exigirão atenção do investidor que optar por small caps são a baixa liquidez, as dificuldades de análise, a precificação imprecisa e a incerteza de crescimento das ações destas empresas. Mas estes obstáculos podem ser vencidos com a ajuda da Central do Investidor, onde você pode contar com assessores qualificados para que suas small caps se transformem em big profits.

Artigos relacionados