Os fundos multimercados ainda são uma boa opção de investimentos?


O Brasil tem vivido nos últimos meses um período de bastante instabilidade, e os próximos meses de 2018, se aproximando das eleições, ainda prometem mais instabilidade, haja vista um cenário eleitoral bastante complexo e incerto, aliado a uma série de fatores externos, como câmbio, aumento dos juros nos EUA, fim dos pacotes de estímulos na Europa e no Japão, problemas com as negociações de paz na Coréia do Norte, Irã, Síria, dentre outros. Tendo este cenário turbulento no horizonte, como seria uma boa forma de alocar os investimentos com opções mais arrojadas e opções mais conservadoras?
Os fundos multimercados possuem uma característica bastante interessante neste momento de instabilidade que é a possibilidade de investimentos em diversos tipos de ativos, sem obrigatoriedade de concentração de investimentos em quaisquer classes de ativos. “A grande vantagem dos multimercados é a variedade de ativos e instrumentos à disposição do gestor para destinar os recursos do fundo, já que, ele pode combinar várias modalidades de aplicações. Isso é muito importante em épocas de instabilidade”, explica Sandra Blanco, consultora da Órama[1]. Muitos gestores de fundos multimercados têm optado por diversificar as carteiras de investimentos nestes momentos, preferindo por ativos no exterior, moedas, juros, ações, renda fixa, dentre outras classes, mitigando os riscos de exposição somente ao mercado brasileiro e a poucas classes de ativos.
Apesar de alguns fundos multimercados possuírem um grau de volatilidade um pouco maior, estes tipos de fundos são indicados para todos os perfis de investidores que buscam retornos maiores do que o CDI. O fator mais importante é ter conhecimento do perfil do investidor para que, ao investir, seja possível alocar os recursos num fundo que esteja em consonância com seu perfil, evitando assim, eventuais surpresas com as oscilações dos valores das cotas.
Além das questões de instabilidade na economia e política do Brasil, um dos maiores potenciais dos fundos multimercados é o comparativo de rendimento com o CDI (benchmark padrão dos fundos multimercados), que, com a queda da SELIC (taxa básica de juros do Brasil), essa variedade de alocação permite que o gestor busque aplicações que tenham maior potencial de retorno de acordo com o perfil do fundo (conservador, moderado e agressivo), de acordo com o regulamento do fundo e com as estratégias de investimentos atribuídas pelo gestor. Em contrapartida, uma boa parte dos fundos multimercados, possui uma liquidez menor para resgate das cotas. Enquanto os fundos DI, fundos de renda fixa, possuem resgates de até D+1, os fundos multimercados, justamente pela diversificação das alocações, podem ter prazos para resgate maiores como D+30, D+60, e até prazos maiores.
Anteriormente disponível somente para investidores mais abonados, os fundos multimercados de casas renomadas, como Verde Asset, Adam Capital, Safra, XP, BTG Pactual, Ibiúna, Vinland Capital, dentre outras, hoje permitem investimentos de menor ticket (R$1.000,00, R$5.000,00, R$10.000,00), trazendo aos pequenos e médios investidores, os mesmos produtos dos grandes investidores.
Contudo, antes de montar sua carteira de investimentos e alocar em fundos, é recomendável conversar com seu assessor de investimentos a melhor opção para seu perfil de investimentos. Num momento como o que estamos vivendo no Brasil, a diversificação em algumas classes de ativos é sempre bem-vinda, ainda mais com a flexibilidade oriunda da gestão dos multimercados.
[1] Disponível em: < https://g1.globo.com/economia/educacao-financeira/especial-publicitario/orama/noticia/fundos-multimercados-sao-boa-alternativa-em-epoca-de-instabilidade.ghtml>. Acessado em 25 de maio de 2018

Artigos relacionados