Tempos difíceis, exigem abordagens diferentes ao investir!

FONTE: BUGG.COM.BR

Mudança é necessária para evolução

Primeiramente, um bom dia a todos, mais uma semana se inicia e hoje quem escreve sou eu (Eliseu Mânica Júnior). Espero que todos estejam descansados no final de semana e estejam bem! No final de semana todo o pessoal do Bugg se reuniu e tivemos uma reunião visando melhorar o que estamos fazendo por aqui. É notório nos últimos meses o crescimento no número da base de investidores e estamos sendo cada vez mais demandados. Além do crescimento na base de investidores, há uma sofisticação do investidor brasileiro, que dado o cenário de queda de juros, vem diversificando seus investimentos, com o aumento na procura por investimentos nos Estados Unidos, principalmente. Nosso time é ótimo, com ótimas pessoas e ótimos profissionais, capitaneado pelo meu amigo William Castro Alves, estrategista-chefe da Avenue Securities, a primeira corretora em português, para brasileiros nos EUA. Nos próximos meses teremos novidades sempre procurando agregar e melhorar o que fazemos. Sempre friso que tempo é o ativo mais precioso do ser humano e as mudanças também virão nesse sentido, melhor organização e aproveitamento do seu tempo de leitura e aprendizado aqui.

Aumento na quantidade de circulação de papel moeda

Sem mais delongas, na última semana tivemos algo inédito, depois de 18 anos tivemos a notícia de uma nova cédula: a cédula de 200 Reais! Ocorreu uma grande repercussão, tivemos memes (o mais popular a cédula do “cão caramelo” que está na capa da Tônica de hoje), comentários de como seria a nota e até algumas críticas sobre a facilidade para a lavagem de dinheiro. Por sermos um País cujo controle do processo inflacionário ainda é recente, ocorreram inclusive pensamentos e receios sobre a criação da nova Cédula, sendo a volta da inflação o maior de todos. O fato é que apenas a impressão dessa moeda, não nos traz isso, por isso é necessário dar uma olhada de como anda a quantidade de papel moeda em poder do público em circulação.

Uma das principais justificativas para a criação da Cédula de R$ 200, seria o fato de que após a pandemia, as pessoas passaram a guardar dinheiro em casa, diminuindo assim, o número da quantidade de dinheiro efetivo em circulação na economia. A ideia é colocar cerca de 450 mihões de cédulas de R$ 200 em circulação, substituindo com a retirada de outras cédulas de R$ 100 e outros valores menores, não sendo realizada assim, a impressão de moeda, o que favorece a tão temida inflação, que é extremamente prejudicial para a economia de um país! Na prática é como se fossem retiradas 2 notas de R$ 100 para a entrada de uma de R$ 200.

O fato é que a impressão de moeda vem sendo utilizada como solução da última crise de 2008 e  que no período pré-pandemia a quantidade de dinheiro com a população brasileira era de R$ 220 bilhões e que agora está em cerca de R$ 260 bilhões, como podemos ver no gráfico abaixo. Esse fato vem sendo feito pelos principais bancos mundiais e repetido no Brasil.

Fonte: Banco Central do Brasil

Todo esse movimento de impressão de moeda merece atenção do investidor. Em 1950 a Venezuela era o quarto maior País do mundo em termos de renda per capta. Com a entrada de ditadores, ocorreu um período de gastança e hoje a Venezuela é um dos países mais pobres do mundo, inclusive imprimindo moeda tentando achar uma solução para o descontrole de gastos e incompatibilidade entre receitas e despesas que atingiu o País, tendo como consequencia os dados de inflação recentes, que podemos ver abaixo:

Fonte: Charlie Billelo

Todo esse movimento de impressão de moeda, ajudou na rápida recuperação de ativos, principalmente os de risco. Coincidência ou não, a alta pós patamar mínimo atingido em 23 de março de 2020, nas bolsas mundiais levando em consideração o valor de mercado, foi similar a quantidade de impressão de moeda por parte dos 4 maiores bancos mundiais, inclusive comentei em artigo anteriormente escrito e que foi comentado inclusive pelo economista Ricardo Amorim, do Programa Manhattan Connection, cujo nome é Oportunidades em petróleo, ouro, commodities e mercados emergentes”, no qual falo sobre o quão caro ficaram algumas empresas ligadas ao crescimento, citando Tesla que estava valendo US$ 260 bilhões e tem ainda um valor de mercado maior que GM, Ford, Fiat Chrysler, Honda, Daimler e Ferrari, JUNTAS, sendo que as receitas da Tesla foram de US$ 26 bilhões contra US$ 731 bilhões das outras montadoras somadas, ou seja, 27x menos. A conta não fecha e a emissão de dinheiro que vem acontecendo no mundo e que vimos acima também vem acontecendo no Brasil, ajudou nessas distorções! No Brasil ações como B2W e Wege, são algumas que os investidores estão pagando um preço já caro pelo crescimento ao meu ver.

“Mas e Eliseu e qual a razão de você ver ativos como commodities, metais preciosos, mercados emergentes e propriedades como interessantes?”

Vejo comentando sobre os setores que acho interessantes pela alta de alguns setores nos últimos 10 anos e a pequena margem de segurança que esses setores trazem hoje para o investidor. Uma das premissas ao investir é que nem sempre o que subiu fortemente nos anos anteriores, irá confirmar-se com as mesmas altas dos próximos anos. Não há dúvidas que o setor ligado ao investimento em empresas de crescimento foram as vencedoras nos últimos 10 anos, assim como empresas maiores e empresas ligadas aos mercados emergentes e commodities as mais prejudicadas ou que menos cresceram. De modo geral, são empresas com múltiplos menores e que tendem a ter uma maior margem de segurança (tudo depende caso a caso, rentabilidade e características específicas de cada empresa e setor).

Como podemos ver abaixo, são esses setores que menos andaram nos últimos 10 anos:

Além disso, vejo outros setores como metais preciosos e propriedades, tidos como de ativos reais e com bom desconto e dada a grande impressão de moedas recentemente, são ativos considerados “ativos reais” e que tendem a favorecer-se em momentos como o atual. Ouro e principalmente a prata que é mais escassa (há um cuidado maior com o ouro em comparação com a prata, onde inclusive muitos jogam fora pratarias, uma minoria é claro, mas acontece com mais chance com a prata do que com ouro). Penso metais preciosos como diversificação é importante, mesmo ciente de que metais preciosos não possuem um valor intrínseco, ou seja, não produzem renda como um aluguel em um imóvel, o arrendamento e frutos como em caso de área de terra, nem dividendos como no caso do investimentos em ações.

Fonte: Cambridge House International

Soma-se a impressão de dinheiro em grande quantidade pelos bancos centrais, dados que nos trazem um alerta, tais como:

  1. os 9 maiores bancos mundiais têm juntos cerca de US$230 trilhões em derivativos, 3x a economia mundial! 
  2. déficit mundial de US$ 253 trilhões, correspondente a 322% do PIB global;
  3. débito de empresas americanas é de US$ 10 trilhões, 50% acima da última década; 
  4. dívida privada é de US$ 1,2 trilhão nos EUA, sendo que quase 50% estão linkados a outros investimentos (direitos foram vendidos e servem como garantia);
  5. crescimento no Brasil da questão por parte de investidores do “preço não importa”, diminuindo a cautela que é necessária na análise de ativos, esquecendo da margem de segurança necessária ao investir e que é isso que vai trazer o retorno no longo prazo. Pagando-se bem, há valor escondido até em ativos que podem parecer que não tem valor algum. Um exemplo direto é a quebra de um banco e ativos que baixou como não recuperáveis ou até parte de aproveitamento dos prejuízos com lucros futuros.

Assim é como estou vendo o mercado atualmente e o que venho fazendo com meus investimentos. No ano estamos na frente do Ibovespa, ano passado passamos dos 81% brutos de maneira oficial em dois clubes de investimentos que em breve virarão apenas um fundo.

O que ocorreu na semana nos EUA e Brasil que chamaram minha atenção:

Fonte: Investing.com

Começando pelo Brasil…Tivemos um aumento na semana passada do Investimento Estrangeiro Direto (IED), vindo acima do previsto, com entrada de US$ 4,75 bilhões ante expectativa de US$ 3,58 bilhões. Muitos comentando que o Dólar tende a uma desvalorização contra outras moedas mundiais e o Real ainda é uma das moedas que mais cai perante o Dólar. Essa entrada de capital estrangeiro, tende a desvalorizar momentaneamente o Dólar contra o Real.

No mundo:

  • Estoques nos Eua vieram abaixo do previsto, favorecendo uma elevação no curto prazo da commodity. Soma-se a isso no curto prazo, o fato de que os produtores de shale americanos estão com diminuição nas plataformas existentes.
  • Vendas no Varejo Espanhol vieram muito acima do previsto. A Europa mesmo com um continente com uma população mais idosa e que não vem crescendo economicamente nos últimos anos, vem mostrando uma recuperação até acima que outros continentes.
  • Vendas pendentes de moradias nos EUA, melhores que o esperado. O mercado de real state, construção civil americano que é um dos setores que mais emprega na economia americana, vem mostrando resiliência e até crescimento, o que é importante na retomada da economia.
  • Pedidos de seguro-desemprego nos EUA vieram pouco abaixo do esperado. Aqui nos EUA muitos vêm recebendo cerca de US$ 600 semanais e importante item na retomada econômica. Já o PIB americano veio um pouco melhor que o esperado.
  • O PMI Industrial Chinês, um importante indicador da economia chinesa, veio acima do esperado, mostrando uma recuperação em V da futura maior economia mundial. Gestores importantes como Ray Dalio e Howard Marks, acreditam que dado o Covid e recuperação mais rápida na China,  o País acelerou o processo de tornar-se o maior PIB do mundo, passando da previsão do ano de 2030 para 2024.
  • PMI de Chicago, também veio bem e vem demonstrando que nos EUA, assim como na China, a economia americana vem dando sinais de recuperação em V.

Fonte: Investing.com

  • Surpreendeu o lucro da Amazon, vindo muito acima do previsto, mesmo com o gasto extraordinário de US$ 4 bilhões relacionados aos cuidados dos colaboradores com a Covid. Como comentou o Analista-Chefe da Avenue Securities, William Castro, “Lucro dobrou na comparação anual. Receita bateu com folga as expec. $88.91BI (+40% yoy), o Setor de Cloud cresceu 29% e o Free cash flow cresceu50% ! Impressionante!”. Impressionaram os resultados, porém mesmo com todo esse crescimento, lembro que o ativo negocia a 152x lucros anuais e tem como valor de mercado US$ 1,6 trilhão, mais que todas as empresas somadas na Bolsa Brasileira.

CONCLUINDO…

De modo geral estava (compra recente em ativos reais) 95% posicionado nos clubes de investimento da Gestora que tenho. Depois do excelente ano passado, estamos na frente do Ibovespa esse ano também. Aguentei as quedas e e com a entrada de capital novo, fiz aportes nos 72 mil (mercado foi para os 61 mil pontos depois disso) e 87 mil pontos. Continuo firme no mercado, há oportunidades, mas o investidor precisa fazer um filtro maior do que o período de oba-oba que passamos recentemente!

ending new year GIF by Looney Tunes

Fico por aqui!

Era isso!!
Um grande abraço,
Eliseu Manica Júnior
Facebook: Eliseu Mânica Júnior
Instagram: @eliseumanicajr
Twitter: eliseumanicaj

FONTE: https://bugg.com.br/2020/08/03/20200803-tonica-da-semana-tempos-diferentes-exigem-abordagens-diferentes-ao-investir/

Artigos relacionados